10 de dez de 2013

(500) days of Summer — não, a Summer não é vadia

Muitas coisas me fizeram finalmente escrever esse post: a vontade desde sempre de falar sobre esse assunto, uma conversa que tive com uma amiga minha (finalmente achei alguém que pensa como eu sobre a Summer!) e um debate no fórum feminista, em que vi que muita gente também pensava como eu. Eu vi (500) dias com ela [(500) days of Summer, originalmente] há dois anos, no mínimo. A minha opinião sobre o filme (e sobre os personagens) foi mudando a cada vez que eu via e crescia também. Sempre gostei do filme, por diversos fatores, e mesmo tendo uns 14 anos eu já percebia algo: não, a Summer não é puta/vadia/sem coração. 

Pra quem não sabe, o filme conta a história de Summer (Zooey Deschanel) e do Tom (Joseph Gordon-Levitt) — esses da foto — e logo no início do filme já ficamos sabendo que eles não terminam juntos. Basicamente, o filme é um amontoado de todas as lembranças do Tom, sem ser em ordem cronológica (aspecto que me fez gostar muito do filme) e o espectador vai aos poucos entendendo como tudo aconteceu. Eles se conheceram quando a Summer começou a trabalhar na mesma empresa que o Tom (que apesar de ser um arquiteto, trabalhava com cartões) e de cara o Tom se apaixona por ela (isso pra não dizer que começa a ficar obcecado né). Eles se conhecem melhor, acabam se envolvendo, mas ela desde o começo deixa claro pra ele: “eu não quero nada sério”, “eu não acredito em amor”, etc. Bem, o que você faz quando alguém propõe algo assim? Se aceitar, é porque tá ciente das condições. Se não, beleza também, você queria algo sério e a pessoa não, não há o que fazer. Mas o Tom não. Ele é louco por ela e realmente acha que com o tempo ela também vai se apaixonar perdidamente por ele.

Só que... isso não acontece (por que será né?). Aí, surgem várias brigas, discussões, crises (por parte dele) e por fim, eles terminam mesmo. E sabe o que o brilhante Tom faz? Fica com raiva dela! Nossa, mas realmente! Que babaca essa garota, hein! Ela não quis nada sério comigo, deixou isso bem claro desde o início! Vê se pode! (oi?) No fim, a Summer acaba se casando com outro cara e realmente passa a acreditar em amor e tudo mais e (tcham, tcham, tcham)... Tom se irrita com isso! Mas que absurdo né, comigo ela não queria nem namorar e com ele ela quer casar? Tá certo isso, gente?

Hum... Tá, Tom. Olha, talvez fique meio difícil ter total noção disso quem não viu o filme, mas a Summer era uma garota fantástica! Em gostos, em personalidade, em caráter e em MATURIDADE. Coisa que o Tom nunca teve. Sabe por quê? Deixa eu te dizer uma coisinha: nenhuma garota é obrigada a se apaixonar por você. Por mais “legal”, “fofo” e “apaixonado” que você seja. E coloco esses termos entre aspas porque num filme pode parecer muito fofo um cara obcecado e que mete na cabeça que a menina é sua alma gêmea e fará de tudo pra ficar com ela, mas na vida real é beeeem diferente. Afinal, quem é que te dá o direito de decidir por ela se você é o amor da vida dela? Sabe o que isso me parece? Machismo. “Ain, feminista mal amada, eca”. Não, queridx. Eu acredito em amor, eu acredito em se apaixonar (por mais que não acredita em alma gêmea), de verdade. Não acredito é em garoto babaca que acha que tem direito de mandar nos sentimentos dos outros e se acha injustiçado porque alguém não quis passar o resto da vida ao lado dele.

Mas o foco do post não é Tom (ou quão babaca ele é). O foco é mostrar pros viewers que a Summer não é babaca, nem heartless! A Summer simplesmente não tinha certeza de que queria aquele cara, oras! E o que há de errado nisso? “Ah, mas o Tom é perfeito, poxa!”. Perfeito? Sério? Cê acha um cara obcecado e sem noção perfeito? Gente, pera lá né. O Tom é o tipo de cara possessivo, que vai se revelando aos poucos (e no fundo muito inseguro de si mesmo). Ele criticava mulheres pela forma como elas se vestiam (lembram da cena no bar?), bateu num cara após ele dar em cima da Summer e zoar o Tom (oh! Pobre Summer, precisa ser salva pelo Tom! Sure, senta lá) e de uma hora pra outra passou a odiar a Summer por ela terminar com ele. Nossa, perfeitinho hein! Quero um desses pra mim (só que não). Então, primeiro passo, lindos: parem de achar que o Tom é vítima nessa história (até porque, o propósito do filme é justamente mostrar o amadurecimento psicológico dele – ele melhora bastante, fica mais confiante em si mesmo e até volta a exercer sua profissão de verdade no final – e não ficar de babaquice porque a menina não quis ficar com ele). E aliás, sabe quem ajudou o Tom a vencer as inseguranças? A sem coração da Summer! Ohhhh! Como pode né? (risos)

Mas agora vamos ao segundo ponto: ainda que o Tom fosse um cara foda, bacana, legal e não possessivo e se a Summer não tivesse estipulado isso de que não queria nada sério, será que ela estaria tão errada assim em sair fora? Não. E sabe por quê? Nós somos seres humanos e mudamos de ideia, deal with it. Eu não sei em que vocês acreditam (amor verdadeiro, pra sempre ou que nada disso existe), mas acho que todos devemos acreditar que no mínimo respeito é necessário. Ser dispensado dói pra caramba, óbvio, você gosta da pessoa. E ninguém tá tentando te dizer que tá errado você sofrer, mas descontar isso na pessoa que terminou com você, só porque você acha que ela tá errada, é no mínimo burrice. Porque that’s life.

Mas agora o terceiro ponto da história (que é o mais feminista de todos, hehe): a mulher tem o direito de mudar de ideia, de sair fora. E mesmo casada, porque (again) pessoas mudam de ideia, você gostando disso ou não. E acho principalmente engraçado como que isso acontece com uma... mulher! Será que se fosse o contrário teria tanta gente contra a Summer, tanta gente a favor desse babaca e pouquíssima gente entendendo o propósito do filme? Acho que não, hein. A verdade é que chamar mulher de vadia, puta e tantos outros termos pejorativos já virou costume na nossa sociedade há muito tempo e é isso que me preocupa. Esse ódio todo pela personagem é porque ela simplesmente terminou um relacionamento com um cara. E isso não é normal. Isso é possessão, obsessão, machismo. Porque a mulher não é sua, ela é dela (e mesmo se fosse sua namorada, noiva ou esposa). Ela tem o direito de mudar de ideia, sem sofrer represália por isso. A Summer não é malvada, ela é madura e muita gente simplesmente não enxerga isso. E se fosse o contrário, se ela fosse a possessiva da história, aposto que teria muito homem dizendo que ela é puta, vadia e idiota também (coisas que não dizem do Tom).

E algo preocupante sobre o Tom é que as pessoas realmente acham esse tipinho de cara normal. Pois lhes digo: não é. O Tom é o famoso “nice guy”, ou seja, o cara que adora se afirmar como legal, respeitador, que se apaixona, que é romântico, mas é o mesmo cara que não sabe respeitar que a menina simplesmente não goste dele (ui, não gostou de mim, logo eu, O HOMEM MARAVILHOSO? Puta!), que a menina não queira mais nada com ele ou se ela for diferente do que ele julga legal é puta também. Conheço um monte assim e quero eles longe de mim (e de todas as outras mulheres).

Bem, gente, que tal saber olhar a Summer (e todas as Summers da vida real, que sofrem com essa mesma situação) de forma diferente? Garotas inteligentes, independentes, maduras e super bacanas! Garanto que elas têm uma visão bem diferente desse tipo de relacionamento.


E pra quem nunca viu o filme, vejam e tirem suas próprias conclusões! Acho a fotografia e a trilha sonora bem legais também (e se souber entender a proposta, também vai gostar). Abraços e beijos libertários!

P.S.: se você acha que eu exagerei, dá uma olhada no que o Joseph acha do seu próprio personagem: http://www.huffingtonpost.com/2012/08/17/joseph-gordon-levitt-500-days-of-summer-selfish_n_1795676.html

14 comentários:

bom demais quando a gente acha alguém que TIRA AS PALAVRAS DA NOSSA BOCA! muito bem dito, minha jovem! um beijo!
Cara o seu texto ficou perfeito e eu também achava que mais ninguém pensava assim da Summer. O pior é que o tipo "nice guy" é o que mais tem, e se enquadram perfeitamente no perfil de namorado/marido agressor.
Obrigada, Sophia! Pois é, sempre bom achar alguém que entende de fato o que o filme passa! Beijinhos!
Ah, obrigada, Samuel! Pouquíssima gente enxerga a Summer assim, pois é. E olha, pior que é, tô cansada de "nice guy", é apenas agressor disfarçado, sinceramente.
Adorei. Ótimo texto, parabens!
AMEY seu texto. Sempre pensei assim..parabéns um abraço e sucesso!
Tom no fim não aprendeu quase nada, a cena final, de ele encontrar outra guria, a "Autumn", mostra que ele vai se apaixonar de novo e agir feito um trouxa DE NOVO. Quanto a Summer, não gosto muito dela, mas acho que ela não teve nenhuma culpa na história. Tava no seu completo direito.
Olha, eu discordo totalmente da sua visão. Respeito que veja as coisas assim, mas sinceramente:
1- Não sei, eu nunca vi a Summer como puta e sem coraçao, nunca vi o Tom como perfeito. Na verdade, pra mim o filme não é sobre alguem ser bom e o outro mal, é sobre como as pessoas num geral criam fantasias em relacionamentos, como elas se decepcionam (muitas vezes por culpa delas mesmas) quando as coisas nao ocorrem como o esperado, como as vezes a gente acha que encontrou a mulher/homem de nossas vidas mas na verdade não era.
2- Muita gente passa por decepçoes, sejam homens ou mulheres. Acho esse filme muito bom porque, indo ao contrario do que voce disse, ele é um dos poucos que mostra o outro lado. Normalmente nos filmes de comedia romantica (ok, esse filme não é comedia romantica mas apenas a titulo de comparaçao) a mulher leva um chute e fica chorando, mas nesse filme não, ele mostra como os homens podem passar por isso tambem, como pode acontecer com todo mundo, tira esse estereótipo de mulher sofredora que precisa de um homem pra ser feliz. Então totalmente contrario ao que voce pensa, eu nao acho que esse filme é machista.
3- Acima de tudo, defendendo um pouco o Tom, eu acho que ele entrou no relacionamento porque, alem daquilo fazer ele feliz, ele tinha esperanças que a Summer se apaixonasse por ele da mesma forma. Ele ficou puto e decepcionado por nao ter sido o homem que ela escolheu, nao porque ele era perfeito, mas porque ele queria ter sido esse homem que faria ela feliz, que estaria ao lado dela.
Por fim, nao li o que o ator acha do seu personagem, mas acho que nao importa muito, cada um tem sua opiniao e visao sobre as coisas, só nao sei se a gente deve ser tao extremista, afinal ninguem sabe bem o que passava na cabeça do diretor ou de qualquer outro envolvido na produção do filme. O importante é debater o assunto e tentar ver as outras interpretaçoes que as pessoas tem :)
Abraços!
Este comentário foi removido pelo autor.
Concordo com o texto. Espero que a opinião sobre aquele cara, que as mulheres detestam, que "pega" uma menina na balada e não dá notícias no dia seguinte ou que fica com ela só pra transar, seja a mesma. Deal with it, girl. Acontece, sem compromisso, sem machismo.
Olá, Lans! Acho que você não entendeu muito bem minha opinião sobre o filme. Não acho o filme machista, pelo contrário (eu amo esse filme, foi algo romântico sem o clichê de felizes pra sempre). Eu acho a posição do Tom machista e essa é a proposta do filme, justamente mostrar que ele não é um príncipe encantado. E como você disse, também concordo que todo mundo praticamente sofre com um coração partido, mas (achando a Summer legal ou não) tomar o Tom como um exemplo a ser seguido na forma como agir mediante um fim de relacionamento também não é legal. Eu não gosto do personagem dele, mas acho legal como mostra que ele também é super frágil no fundo (como você disse, sim, homens também sofrem com fins de relacionamentos), mas isso é um problema e não algo a inspirar pessoas (como tem muita gente que se diz o Tom e acha isso legal). Inclusive, na entrevista com o Joseph ele fala exatamente disso, sobre como o Tom não deve ser um modelo a ser seguido. Abraços! :)
Oi, Jay! Acho que a partir do momento em que você é sincero com outro, tá tudo certo. Se esse cara não der esperanças falsas, que mal tem? Ter romance sem compromisso é uma escolha de cada um. O errado é uma pessoa, seja homem ou mulher, fingir ser algo que não é. Não há qualquer problema contanto que se seja sincero, com qualquer coisa que se faça. :)
LOL, mesmo vendo o filme não percebi muita coisa porem agora li esse ponto de vista me vi sendo o cara "nice guy" e o fato de ter acontecido de e ser um cara super legal e tomar um não da mulher que achava que teria um futuro, exatamente como descrito ela é "inteligente, independente, madura e super bacana e eu fiquei puto com o não só agora que vi que não mando nos sentimentos dela e se ela disse não é porque ela não queria mesmo
Haha acontece, Rafael. Acho que todo mundo tem algum relacionamento ou quase relacionamento que deixa a gente com raiva e coisas assim. O mais importante é saber seguir em frente e também entender que existem bilhões de pessoas melhores e mais legais pra gente por aí. E fico feliz que tenha conseguido se ver no Tom, porque não é porque alguém foi Tom uma vez que sempre será, a gente sempre pode mudar. Abraços. :)

Postar um comentário

Olá leitor(a)! Bom, eu espero que tenha gostado, mas antes de deixar um comentário, lembre-se de ser educada(o). Sou meiga, mas tenha educação, não custa nada afinal.